Você está aqui:    Home      Home      Profissionais da área trabalhista se mobilizam em defesa da Justiça do Trabalho

Profissionais da área trabalhista se mobilizam em defesa da Justiça do Trabalho

21 de janeiro de 2019

Política anti-trabalhista de Bolsonaro é a continuação do desmonte iniciado por Temer

Juízes, juízes aposentados, magistrados ligados à entidades e advogados trabalhistas protestaram, no início da tarde desta segunda-feira (21), contra o eventual fim da Justiça do Trabalho no Brasil, desejo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

O ato reuniu em torno de 50 pessoas, entre elas magistrados, servidores e advogados trabalhistas.

O presidente Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho, em Mato Grosso do Sul, Christian Gonçalves Mendonça Estadulho, disse que a vontade do presidente Bolsonaro é “inviável” e tornaria a vida dos trabalhadores “um caos”.

O presidente, ao menos no discurso, sustentou que os processos tocados hoje pela Justiça Trabalhista poderiam ser reconduzidos para a Justiça Comum.

Segundo cálculo do magistrado, se isso for tocado adiante, processos hoje definidos pela Justiça Trabalhista num período de oito a 12 meses seriam resolvidos em até dois anos, ou seja, demoraria o dobro do tempo.

Christian falou também sobre comentário de Bolsonaro de que a Justiça Trabalhista existe somente para proteger os trabalhadores. Segundo ele, a modalidade existe há sete décadas no Brasil e, neste período, os magistrados que nela atuam seguem a constituição, afinal, as leis cumpridas pela Corte são construídas pelo Congresso Nacional.

GOLPE

O juiz trabalhista aposentado Rodnei Rodrigues, representante estadual dos magistrados aposentados, reforçou o discurso de Christian e afirmou que o fechamento da Justiça Trabalhista seria um “golpe terrível” contra o trabalhador.

Ele ressaltou que a classe empresarial brasileira, honesta, sempre aprovou a missão da Justiça Trabalhista. Rodrigues elogiou ainda os advogados trabalhistas, em torno de 1 milhão no país.

Rodrigues disse também que em Mato Grosso do Sul, ano passado, a corte trabalhista julgou em torno de 21 mil processos envolvendo empresas e trabalhadores. Em 2017, foram 36 mil e, em 2016, 35 mil.

Atividades trabalhistas nos canavieiros e frigoríficos são os que mais motivam aberturas de processos, segundo Rodrigues, que criticou também a reforma trabalhista.

Foto: Wesley Ortiz
Fonte: TopMidia News

Postar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*