Você está aqui:    Home      Home      Fibria conclui metade das obras de ampliação da unidade de Três Lagoas (MS)

Fibria conclui metade das obras de ampliação da unidade de Três Lagoas (MS)

5 de setembro de 2016
por cason
Publicado emHome, Notícias

A Fibria, empresa brasileira de base florestal e líder mundial na produção de celulose de eucalipto, acaba de concluir 50% das obras do Projeto Horizonte 2, a segunda linha de produção de celulose em construção na unidade da empresa em Três Lagoas (MS). Com a metade das obras concluídas, o Projeto Horizonte 2 segue dentro do cronograma. A previsão da empresa é de que a nova linha de produção entre em operação no início do quarto trimestre de 2017.

“Esse é um marco importante para a ampliação da nossa unidade no Mato Grosso do Sul. Motiva a equipe, os fornecedores, os parceiros e mostra que as obras seguem em um bom ritmo, dentro do prazo e abaixo dos custos planejados”, diz o presidente da Fibria, Marcelo Castelli.

A conclusão de metade do Projeto Horizonte 2 foi marcada pela entrega de importantes etapas da construção civil e consolida o início de uma nova fase da obra.

“Iniciamos agora uma nova etapa, que consolida os processos de engenharia, fabricação, entrega e montagem eletromecânica de todos os equipamentos que serão necessários para a nova linha de produção de celulose da empresa”, afirma o diretor de Engenharia e Projetos da Fibria, Júlio César Rodrigues da Cunha.

A unidade da Fibria em Três Lagoas segue os mais modernos conceitos de ecodesign, com processos produtivos mais limpos e eficientes. Além disso, toda a energia consumida é gerada na própria fábrica, por meio de biomassa proveniente de cascas do eucalipto e biomassa líquida resultante do processo industrial. Com o aumento da capacidade de produção, a unidade industrial, além de gerar e consumir a própria energia, passará a ter um excedente adicional de 130 MWH, que contribuirá positivamente para o balanço energético brasileiro, além de favorecer a matriz energética ao usar fontes renováveis.

A Fibria também tem investido no desenvolvimento da base florestal na região com o objetivo de abastecer a nova linha de produção. O suprimento de madeira necessário para a operação da nova fábrica virá de florestas cultivadas no Mato Grosso do Sul. Serão necessários 187 mil hectares de florestas plantadas em áreas próprias, arrendamento e parcerias. Somados os 120 mil hectares destinados a atender a fábrica atual, a base florestal que irá suprir a unidade de Três Lagoas passa para 307 mil hectares. O raio médio das florestas até as duas linhas de produção da empresa será de até 100 quilômetros, um dos mais competitivos do mercado. Em maio de 2016, a Fibria anunciou o aumento da capacidade de produção da nova fábrica de 1,75 milhão de toneladas/ano para 1,95 milhão de toneladas de celulose/ano.

“Além de termos aumentado a capacidade da nova fábrica, vale destacar que todos os recursos necessários para a nova linha de produção já estão formalmente contratados e garantidos”, informa o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Fibria, Guilherme Cavalcanti.

Somando a nova linha à atual fábrica, já em operação, a unidade de Três Lagoas (MS) ampliará sua capacidade de produção em 150%, passando a produzir 3,25 milhões de toneladas de celulose/ano, elevando a liderança e a competitividade da Fibria no mercado global de celulose de fibra curta.

Compromisso Social

O projeto de expansão da unidade da Fibria de Três Lagoas prevê R$ 11,7 milhões em investimentos sociais em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Além de saúde e educação, os investimentos sociais preveem projetos de geração de renda, inclusive com a ampliação do PDRT – Programa de Desenvolvimento Rural Territorial, que ajuda a desenvolver nas comunidades rurais do entorno formas de garantir renda e inclusão social.  Ao todo, serão 43 projetos, beneficiando cerca de 40 mil pessoas.

Fonte: Celulose Online

Postar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*